Arquivo da categoria: estudos bíblicos

O discípulo e o Espírito Santo

mons-plinio-el-espiritu-santo

“Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra” (Atos dos Apóstolos 1:8)

INTRODUÇÃO

É impossível escrever sobre qualquer dos temas enfocados nestas lições, sem fazer referências, explícita ou implícita, à pessoa e aos atos do Espírito Santo.

Não obstante, se faz necessário tratar deste assunto com clareza, afim de dirimir quaisquer dúvidas que, porventura, existam por parte do novo crente, sobre a terceira pessoa da trindade.

As Escrituras dão sobejas provas da personalidade do Espírito Santo. Ele não é apenas uma influência, força ativa ou energia cósmica, conforme ensinam as pseudo-religiões; mas, sim, um como o Pai e o Filho. Ele é Deus (leia 1 João 5:6 e 7).

A NATUREZA DO ESPÍRITO SANTO

Você aprendeu que o Espírito Santo convence o homem do seu estado pecaminoso e da condenação eterna. Nesta lição, você aprenderá que o Espírito Santo é uma pessoa divina, tal como o Pai e o Filho.

Provas Bíblicas da sua divindade:

Em Gênesis 1:2, encontramos a primeira referência ao Espírito Santo, o qual participou ativamente da criação.

O Espírito Santo é da mesma essência divina que o Pai e o Filho, pois possui os mesmos atributos destes. Veja:

  1. Onipotência: – Igualmente com o Pai e o Filho, Ele possui este atributo. É Onipotente: pode todas as coisas;
  2. Onisciência: – Assim como o Pai e o Filho, o Espírito Santo tem pleno conhecimento de tudo. Seu saber é perfeito e infinito, em relação a passado, presente e futuro. Ele é eterno: não tem princípio e nem fim. Leia Salmos 139:2;
  3. Onipresença: – Você aprendeu que o Espírito Santo conhece todos os atos e pensamentos dos crentes. Ele perscruta o seu entendimento, pois está presente em todo o lugar, de modo pleno. Leia Jeremias 23:23 e 24.

Provas da sua personalidade:

 

O Espírito Santo, como já foi dito, é uma pessoa, e não uma influencia ou energia cósmica; também não é a força ativa de Deus, como ensinam alguns.

Ele possui características e personalidade. Veja os seus atributos pessoais: intelecto, vontade e sentimento (leia Romanos 8:27 e 1 Coríntios 2:10, 11 e 16), onde se observa claramente, a sua capacidade de examinar, conhecer e interceder.

Ele se entristece e, também, tem ciúme (zelo) de nós. Leia Tiago 4:5. Considere ainda, algumas atividades que atestam a personalidade do Espírito Santo:

1. Revela(2 Pedro 1:21):A Bíblia, revelação de Deus à humanidade, foi escrita por homens inspirados pelo Espírito Santo.

2. Ensina(João 14:26):– O Senhor Jesus afirmou aos discípulos que o consolador os ensinaria todas as coisas, e os faria lembrar de tudo quanto Ele (Jesus) havia dito.

3. Intercede(Romanos 8:26):– O apóstolo Paulo disse que o Espírito Santo ‘intercede por nós com gemidos inexprimíveis’.

4. Ordena(Atos 13:2):– A Igreja de Antioquia da Síria foi a primeira a enviar obreiros ao campo missionário. Porém, a ordem para isto foi dada pelo Espírito Santo.

5. Testifica de Cristo (João 15:26; 1 João 5:6 e 7):– Ele testifica de Cristo. Se não fosse uma pessoa, seu testemunho seria nulo.

6. Fala à Igreja(Apocalipse 2:7, 11, 17 e 29; 3:6, 13 e 22):– Através dos ministros da Palavra e de várias outras maneiras, Ele fala à Igreja;

7. Convidaàsalvação (Apocalipse 22:17):– Não só convence o pecador a aceitar a Cristo como Salvador, mas também, junto com a Igreja, convida todos à salvação.

NOMES E SÍMBOLOS DO ESPÍRITO SANTO

Você aprendeu que o Espírito Santo é uma pessoa e não uma influência ou força ativa de Deus, pois possui personalidade. É divino, porque a Ele são atribuídas as mesmas qualidades inerentes ao Pai e ao Filho, e também, é-lhe dado, de acordo com as diversas funções, vários nomes. Veja, então, os que são conferidos ao Espírito Santo e os seus principais símbolos.

Nomes conferidos ao Espírito Santo:

Referente à pessoa do Espírito Santo, as Escrituras Sagradas registram vários nomes, pelos quais é conhecido ou representado. Veja:

O Espírito de Deus:- Significa que Ele é executivo da divindade. Em Lucas 11:20, Jesus afirma que expulsara os demônios pelo ‘dedo de Deus’.

O Espírito de Cristo (Romanos 8:9):- Este nome, conferido à terceira pessoa da Trindade, indica que o Espírito Santo é enviado por Cristo, para o glorificar e habitar no salvo.

3. O Consolador (João 14:16 e 26; 16:7):– Perto de findar o seu ministério terreno, o Senhor sabia que, brevemente, teria de deixar os seus discípulos. Contudo, eles não ficariam sozinhos, pois enviaria o ‘outro Consolador’, a fim de ficar com eles para sempre.

O Espírito de Verdade (João 14:17; 16:13):– O Espírito do engano e do erro operam no mundo. Por isso, o Senhor enviou o Espírito de Verdade, para preservar os seus servos das ciladas de Satanás.

O Espírito da Graça:– A graça é concedida aos crentes, a fim de viverem em santidade e vencerem as fraquezas, próprias da carne (leia 2 Coríntios 12:9).

O Espírito de Vida (Romanos 8:2):– O poder do pecado e da morte não têm efeito sobre aqueles que receberam o Espírito de Vida. Neste versículo, o apóstolo Paulo afirma: ‘Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte’. Leia Romanos 8:11.

Símbolos do Espírito Santo:

Eles indicam a ação divina da terceira pessoa da Trindade, através dos vários ministérios que exerce em prol dos servos de Deus. Consideremos os principais:

Fogo:- Este símbolo fala da ação purificadora do Espírito Santo, na vida do crente.

Ao mesmo tempo que incinera a força do pecado dentro de nós, e consome tudo o que representa palha, madeira e feno; o fogo do Espírito assinala a presença de Deus na vida do crente, ao iluminá-lo e aquecê-lo.

Vento:- No encontro com Nicodemos (João 3:8), o Senhor referiu-se à ação do vento, para ilustrar a operação do Espírito Santo na obra de regeneração do pecador.

É ele quem convence a pessoa da necessidade de arrepender-se dos seus pecados e receber, pela fé, mediante a graça divina, a salvação consumada no sacrifício do Calvário, pelo Filho de Deus.

O vento simboliza a obra regeneradora do Espírito Santo.Tal como o vento, cuja presença é sentida, sem, no entanto, se poder tocar, assim é o Espírito Santo.

Percebe-se a sua real operação na vida do crente e da igreja, embora não se possa vê-lo tal como é. Seus atos independem da vontade humana, pois ele é Deus, é soberano.

 

Água:- Jesus afirmou a Nicodemos que ‘aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus’. Neste versículo, a água simboliza a Palavra de Deus, que concede vida aos que estão mortos em seus delitos e pecados.

Todavia, em João 7:37, o Senhor Jesus identifica-se como a verdadeira fonte de água viva, isto é,  da salvação consumada por ele, e conferida aos que aceitaram, pelo Espírito Santo. Ele afirmou: ‘Se alguém tem sede, venha a mim, e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre’. E João registra, ainda no versículo 39: ‘

E isto disse ele do Espírito que haviam de receber os que nele cressem; porque o Espírito Santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado’.

Selo:- Qualquer objeto que esteja selado, o identifica como propriedade exclusiva de alguém. O selo é a garantia de que o objeto não será confundido com qualquer outro, pois trata-se de uma marca pessoal, intransferível. O crente é uma propriedade do Senhor.

O selo do Espírito Santo, no ato da conversão, confere a garantia de vida eterna ao novo membro da família de Deus. O Espírito Santo é o penhor da nossa salvação (leia Efésios 1:13 e 14).

Desta forma, a Bíblia ensina que todo o crente é selado com o Espírito Santo.

Azeite:- É o mais conhecido dos símbolos atribuídos à terceira pessoa da Trindade. No Antigo Testamento, era usado para consagrar os sacerdotes e os reis de Israel.

Ser ungido com o azeite, significava estar revestido da autoridade de Deus, para determinada tarefa espiritual ou secular. A igreja primitiva, através dos presbíteros, ungia os enfermos, que saravam, após a oração da fé (leia Tiago 5:14 e 15). Ainda se faz isto, em obediência à Palavra de Deus. Os resultados são positivos.

Pomba:- Esta ave simboliza brandura, inocência, doçura, pureza, amabilidade e paz. Por ocasião do batismo de Jesus, no rio Jordão, João Batista viu o Espírito Santo descer do Céu, em forma corpórea de uma pomba, e pousar sobre o Filho de Deus, para indicar que aquele era o Messias.

Isto não significa que a terceira pessoa da Trindade tenha esta aparência, pois, como espírito, não possui forma que se possa definir.

III. A OBRA DO ESPÍRITO SANTO

No Pecador: – O Espírito regenera a natureza pecaminosa do homem, convence-o dos seus delitos e pecados, leva-o ao arrependimento, à confissão e ao abandono dos mesmos, pela fé no sacrifício do Filho de Deus.

Deste modo, regenerado pelo Espírito, o pecador experimenta o novo nascimento, e torna-se uma nova criatura. Leia 2 Coríntios 5:17.

No Crente: – A obra do Espírito Santo é

– Consolar (leia João 14:16 e 17);

– Conduzir, guiar em toda a verdade (leia João 16:13);

– Ensinar todos as coisas e lembrar o que o Senhor ensinou (leia João 14:26);

– Conceder poder para testemunhar de Cristo (leia Atos 1:8);

– Interceder pelos crentes em suas orações (leia Romanos 8:26);

– Santificar: esta é a principal tarefa do Espírito santo nos crentes, pois sem santificação, ‘ninguém verá o Senhor’ (Hebreus 12:14). Este processo é uma operação dinâmica e progressiva. Começa na conversão e aperfeiçoa-se gradativamente até a volta de Jesus. Leia 2 Coríntios 7:1 e Filipenses 1:6.

Na Igreja: – Considere as seguintes áreas , nas quais o espírito Santo administra a Igreja:

– Na obra de missões:- A começar pela igreja em Antioquia da Síria até os dias atuais, é o Espírito Santo quem separa e ordena os obreiros e os envia ao campo missionário.

– No ministério da pregação:- Sem a unção do Espírito, nenhum pregador, por melhor que seja, logrará êxito em sua pregação, pois sua mensagem é insípida, vazia e sem poder.

Só há salvação de almas, quando o Espírito unge a mensagem e o pregador, como aconteceu com Pedro, no Pentecoste. Sob a convicção de que haviam pecado, por rejeitarem o Mestre, o Salvador da humanidade, os judeus, compungidos em seus corações, arrependeram-se e foram salvos. Leia Atos 2:37 e 41.

– Oração:- O Espírito intercede pelos crentes nas orações (leia Romanos 8.26). Ao escrever aos crentes em Éfeso, Paulo concita-os a orar ‘em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito’ (Efésios 6:18). Leia Judas, versículo 20.

A sobrevivência da Igreja só é possível sob a direção do Espírito Santo. Ele é o legítimo vigário (substituto) do Filho de Deus na terra. Ninguém mais!